‘Bolsonaro quer nos destruir’, reclamam as tribos da Amazônia

0

Líderes indígenas que dizem que o novo presidente do Brasil está tentando forçá-los de suas terras estão preparados para uma nova era de ruína.

Do Correio da Amazônia

Com o pôr do sol cor de laranja, o Raimundo Kanamari sentou-se na margem do rio e ponderou sobre o futuro de sua tribo sob o presidente do Brasil. “Bolsonaro não é bom”, disse ele. “Ele quer destruir todos nós, bombardear nossas aldeias. Essa é a notícia que ouvi”.

Os ativistas acreditam que sob o novo governo do Brasil, as comunidades indígenas enfrentam sua mais severa ameaça desde que os líderes militares invadiram estradas pela região há quase cinco décadas, deixando para trás um rastro de morte e destruição ambiental.

“Desde a ditadura, não vivemos um momento tão difícil”, disse Jaime Siqueira, chefe do Centro de Trabalho Indígena (CTI) , uma ONG brasileira que apoia comunidades indígenas que lutam pela defesa de suas terras.

Ewerton Marubo, um líder do território indígena do Vale do Javari – um sertão quase do tamanho de Portugal, abrigando a maior concentração de tribos isoladas do Brasil – disse que seus 6.000 habitantes estavam se preparando para uma nova era de ruína.

“Estamos em uma situação de grande perigo. [Bolsonaro] está se mostrando o inimigo número um dos indígenas ”, disse ele.

Em uma noite quente de julho, Ewerton foi um dos dois líderes regionais reunidos em Atalaia do Norte – o portal ribeirinho da reserva de Javari – para discutir maneiras de defendê-lo do ataque antecipado.

Dois dias depois, caciques (chefes) das oito tribos contatadas que viviam na região deveriam realizar uma cúpula de emergência em um vilarejo mais a oeste, na fronteira com o Peru.

Assim como outros territórios indígenas na Amazônia, o Vale do Javari – criado em 1998 em um esforço para proteger seus moradores e suas casas – há muito tempo sofre incursões de intrusos que procuram lucrar com seus abundantes recursos naturais.

Mas enquanto Bolsonaro aumenta sua retórica anti-indígena e continua desmantelando a Funai – a agência, já cronicamente subfinanciada, supostamente protegendo as 300 tribos brasileiras -, os líderes do Javari temem uma dramática deterioração.

Líderes indígenas se reuniram em Atalaia do Norte para discutir como defender suas terras Foto: Ana Palacios/CIDSE & REPAM

“O sonho do atual governo é exterminar os povos indígenas para que eles possam tomar nossas terras”, afirmou Kevin Mayoruna, 39 anos, líder da tribo Matsés de Javari que recentemente organizou um protesto em sua aldeia no rio Jaquirana.

Marcos Mayoruna, outro líder dos Matsés, alegou que ao falhar deliberadamente em impedir que os invasores entrassem na reserva de Javari e ao mesmo tempo privassem as comunidades indígenas de saúde e educação, a administração de Bolsonaro tentava forçá-los de terras que poderiam ser desenvolvidas comercialmente.

“Tudo o que ele pensa é dinheiro. Tudo o que ele pensa é o desmatamento ”, reclamou Mayoruna, alertando para as implicações do clima global se as florestas de Javari fossem perdidas.
“A floresta não é apenas para nós indígenas”, disse ele. “É para todos.”

O Vale do Javari está longe de ser o único território indígena ameaçado sob Bolsonaro, que comparou seus habitantes a animais em zoológicos e prometeu não demarcar “um centímetro quadrado” de terra para esses grupos.

Milhares de garimpeiros – aparentemente encorajados pelas repetidas proclamações de Bolsonaro de que os territórios indígenas eram muito grandes – teriam sido despejados em terras yanomami perto da fronteira do Brasil com a Venezuela em busca de ouro.

Mais ao sul, no estado de Rondônia, membros da tribo Uru-eu-wau-wau têm lutado desde janeiro para manter as garças armadas fora de sua reserva de 1,9 milhão de hectares.

Mas as apostas são particularmente altas no Vale do Javari, uma varredura em forma de balão de florestas tropicais e rios pensados para abrigar 16 “tribos perdidas” vivendo em isolamento voluntário. Para esses grupos – que podem não ter imunidade a doenças simples como a gripe – o contato com pessoas de fora pode ser fatal.

Cristina Larraín, ativista do Conselho Indigenista Missionário (Cimi), com sede em Atalaia, disse que as tribos de Javari estavam enfrentando uma intensificação do assalto de madeireiros, pecuaristas, caçadores, pescadores e garimpeiros, além de companhias de petróleo na fronteira com o Peru.

Cortes orçamentários incapacitantes para a Funai fizeram com que a agência tivesse apenas 18 funcionários para impedir que intrusos entrassem no enclave de 8,5 milhões de hectares e em outras quatro reservas mais ao sul.

A agência – cujo novo chefe bolsista tem horrorizado os especialistas – está tão faminta de recursos que os funcionários precisam comprar anti-veneno de seus próprios bolsos antes de realizar perigosas missões de uma semana nas selvas infestadas de cobras do Javari.

“É uma área do tamanho de um país quase completamente desprotegido”, disse Larraín. “Eu me sinto sobrecarregado.”

Siqueira afirmou que a retórica “agressiva e condescendente” de Bolsonaro em relação aos povos indígenas do Brasil já deu a seus “inimigos históricos” a luz verde para acelerar seu avanço ilegal em territórios como o Javari.

“Não é só o desmatamento que subiu na Amazônia [sob Bolsonaro]. A violência contra grupos indígenas também tem”, disse ele.

Durante uma reunião com jornalistas estrangeiros na semana passada, Bolsonaro defendeu seu desejo de desenvolver reservas indígenas, alertou a comunidade internacional contra a intromissão na Amazônia, e pintou-se como um campeão de povos indígenas que não queriam mais viver “como homens pré-históricos sem acesso”. a tecnologia, a ciência, a informação e as maravilhas da modernidade ”.

Mas enquanto se reuniam na sede de sua associação indígena, ativistas e anciãos Javari disseram que estavam determinados a resistir ao que chamaram de um ataque apoiado por Bolsonaro em seus lares ancestrais.

“Ele nos vê como animais. Como se não soubéssemos como pensar ”, disse Ewerton Marubo, que esperava que o financiamento estrangeiro ajudasse as tribos a adotar técnicas de vigilância para proteger suas terras. “Mas somos muito mais inteligentes do que ele.”

Lucia Kanamari, uma das poucas lideranças femininas de Javari, disse: “Se o governo não nos apoiar, devemos encontrar uma maneira de nos proteger. Ele [Bolsonaro] veio nos deixar na escuridão, mas não permitiremos isso ”.

Ewerton disse que sentia um dever particular de defender o bloco , as tribos que vivem em reclusão no interior da reserva, que não podiam falar por si.

“Imagine se tudo isso for destruído, se o governo abrir essa área. Em dois anos tudo terá acabado ”, previu ele. “A madeira vai embora. O peixe vai embora. Os rios serão todos poluídos. Tudo o que eles querem é destruir.

Enquanto o sol se elevava sobre Atalaia do Norte e os emissários nativos preparados para adiar o conclave de suas florestas tropicais, os líderes se reuniram para uma assembléia final sobre a proteção de suas casas.

Ivan Chunu Matis, um ancião Matis usando um cocar de penas de arara e anéis de orelha e nariz feitos de conchas de caracóis, ficou agitado ao considerar a ameaça representada pelo homem que ele chama de “Bolsonário”.

“Ele é um homem mau. É como se ele não entendesse nada ”, ele protestou. “Ele não quer ajudar os pobres ou os que sofrem. Ele só quer ajudar os ricos para que ele possa obter os recursos que eles desejam. ”

Enquanto se preparava para a viagem, Lucia Kanamari disse que o pessoal de Javari estava agora lutando por suas vidas.

“Ele não é um presidente que veio para consertar as coisas. Ele é um presidente que veio para destruir”, disse ela. “É uma tragédia para nós.”

Fonte: Jambo Verde


Comente no Facebook

Leave A Reply