Em defesa de Petra Costa e “democracia em vertigem”, Pablo Villaça rebate Pedro Bial

0

O apresentador da TV Globo, Pedro Bial, em entrevista a uma rádio Gaúcha, partiu para o ataque contra a documentarista Petra Costa e seu documentário “Democracia em Vertigem”, classificado por Bial como “ficção alucinada”.

“Você cria uma relação causa-consequência entre coisas que não tem a menor relação causal. O filme é todo assim”, disparou. Sobre o documentário, completou: “vai contando as coisas, me desculpem a expressão, num pé com bunda danado”.

A baixaria se estendeu para o campo pessoal “é uma menina querendo dizer para a mamãe dela que ela fez tudo direitinho”, disse Bial, sobre a cineasta.

A resposta de Pablo Villaça (link)

“O simples fato de Democracia em Vertigem ter sido distribuído (e contado com dinheiro da Netflix) é algo cujas implicações Bial ignora. Em produções do tipo, a exigência na checagem de fatos é gigante – até por autoproteção legal. A Netflix é uma empresa de capital aberto que deve satisfações aos acionistas – e um processo originado por uma produção mentirosa é a última coisa que seus diretores desejariam. E isso é um fator que diferencia um “Democracia em Vertigem” de um “1964: O Brasil Entre Armas e Livros”, que, feito por um think tank (ou “think”), não tem a obrigação de se apegar a esse detalhe bobo que é a tal VERACIDADE FACTUAL”.

O cineasta mostrou indignação com os ataques de Bial a Petra, “isso, além de estúpido, é de um sexismo colossal. Eu DUVIDO que se o filme tivesse sido dirigido por um homem, Bial tentaria atacar o realizador dessa maneira. Ele usa dois clichês misóginos ao mesmo tempo: o de que as mulheres não são capazes de pensar por conta própria e o de que precisam da aprovação alheia.”

E completou:

“É um ataque feio feito por um jornalista que há muito se tornou defensor ferrenho dos interesses dos patrões. Para encerrar – e a propósito de nada -, me ocorreu lembrar que Pedro Bial escreveu a biografia oficial de Roberto Marinho. Talvez alguém pudesse dizer, sobre a biografia de um bilionário escrita por um funcionário de sua empresa: “é um menino querendo dizer para o papai dele que ele fez tudo direitinho, que ele está ali cumprindo as ordens do papai”.”

Democracia em Vertigem e Pedro Bial

Democracia em vertigem foi indicado ao Oscar e coloca a Rede Globo de televisão como um dos principais atores políticos que ajudaram a construir a correlação de forças nas ruas e no Congresso para derrubar a ex-presidente Dilma Rousseff. Pedro Bial é funcionário da emissora e já escreveu biografia sobre seu fundador, Roberto Marinho, publicada dois anos após a sua morte.

Jornalista e formado em ciência política pela UNESP, André Henrique já atuou como docente, assessor parlamentar e consultor político, mas é no jornalismo que o sociólogo se realiza profissionalmente, especialmente na editoria de política.

Comente no Facebook

Comments are closed.